Como fazer encadernação artesanal

A encadernação artesanal, ou encadernação artística, trata-se de uma arte antiga, que sobreviveu ao longo dos séculos mesmo com o avanço tecnológico e o fato de tudo estar se tornando automatizado.

A encadernação artesanal, ainda chama atenção de muitos artesãos e entusiastas, que vem nessa arte não apenas uma forma de expressão, mas também uma forma de gerar renda.

Muitas pessoas hoje em dia, encontraram na encadernação artesanal seu ganha pão, mas para entender como esse processo funciona, não basta apenas conhecer os tipos de encadernação.

Neste artigo, traremos todas as informações básicas sobre como fazer encadernação artesanal, para você que tem curiosidade ou está começando nessa arte.

Componentes da encadernação artesanal

É necessário entender as partes que compõe um livro, agenda, revista entre outros. Iremos explicar cada um de forma breve.

  • Capa: O termo é auto explicativo, trata-se da capa do seu livro ou caderno. Alguns estilos de encadernação permitem que seja encadernado solto do miolo e da contra capa;
  • Contracapa: A parte de trás da capa;
  • Guarda: A guarda costuma estar presente apenas em livros de capa dura, e tem a função de segurar a capa ao miolo;
  • Lombada: È o lado oposto ao corte da frente, a lombada é onde fica a costura do livro e tem como objetivo manter as folhas unidas;
  • Costura: Na encadernação artesanal a costura é uma das partes mais importantes. Existem vários tipos de costuras para a encadernação, algumas são mais difíceis e outras costumam ser mais fáceis;
  • Acabamento: Possui a finalidade de melhorar a experiência da pessoa com aquele produto em mãos, pode variar bastante de estilo e material.

Materiais mais utilizados na encadernação artesanal

Alguns materiais variam bastante conforme o tipo de encadernação que você deseja fazer, e a sua criatividade, mesmo assim, separamos uma lista de materiais que normalmente são indispensáveis.

  • Couro
  • Papel sulfite
  • Off set
  • Tecido (algodão / tricoline);
  • Cola branca Cascorez;
  • Papel calandrado (papel Paraná)
  • Tesoura
  • Napa
  • Vincador;
  • Ilhós;
  • Régua;
  • Botões;
  • Papel craft;
  • Gabarito;
  • Agulhão;
  • Agulha curva;
  • Cabeceado;
  • Náilon;
  • Espátula;
  • Linha;
  • Berço de encadernação;
  • Dobradeira;
  • Elástico;
  • Rolinho de espuma;
  • Fio de cabelo;
  • Perfurador;
  • Cantoneira;
  • Estilete;
  • Fita;
  • Cera para linha

Todos esses materiais são baratos e podem ser encontrados facilmente em lojas de artesanato.

Estilos de encadernação artesanal

Para saber como fazer encadernação artesanal, é necessário saber também os estilos que compõe essa arte milenar. Separamos alguns estilos mais comuns, e algumas dicas do que é possível fazer com cada um deles.

Encadernação Copta

Essa técnica era usada no antigo Egito para encadernar escritos sagrados.

A forma de encadernação é bastante simples, a costura é feita de forma horizontal e utiliza-se várias linhas, podendo ser de diferentes cores.

Esse estilo não utiliza lombada, pois o miolo fica exposto e isso dá uma abertura de 360º ao livro.

Encadernação Japonesa

Na encadernação japonesa não se costuma dobrar o papel, é normal que o miolo fique a mostra.

A costura do estilo japonês consiste em utilizar linhas, fitas ou barbantes que formam desenhos na lombada.

Encadernação Belga

Esse estilo é muito parecido com a encadernação japonesa, a diferença mais marcante é que a encadernação Belga permite uma abertura maior, podendo chegar a 180 graus.

Mas assim como a encadernação japonesa, a costura é trabalhada na lombada, na capa e contracapa.

Agora que você sabe o básico de como fazer encadernação artesanal, deixaremos algumas dicas sobre os produtos com que você pode trabalhar.

  • Cadernos
  • Livros
  • Agendas
  • Álbuns de fotos
  • Bloco de anotações
  • Agendas de bolso.

4 dicas para melhorar seu casamento

Quem nunca sonhou em ter um amor épico? Daqueles de filme, onde os protagonistas dançam na chuva, brigam, mas o pedido de perdão vem junto a uma declaração capaz de derreter até o coração mais frio?

Quem nunca sonhou com o “Até que a morte os separe”?

O casamento normalmente começa assim, planos, sonhos, desejos, uma ilusão criada pelos cônjuges de que a vida a dois será como um conto de fadas da Disney, onde não importa a situação ruim, o mocinho sempre fica com a princesa.

Para muitos, quando a realidade bate à porta, as estruturas da relação se tornam fracas, e é nesse momento que muitos acabam desistindo.

No Brasil, o número de divórcios vem crescendo em ritmo acelerado, afinal, é mais fácil abrir mão e “partir para outra”, do que investir em uma relação madura que irá precisar de tempo e esforço de ambos os lados para prosperar de forma sólida.

Se você sente que seu casamento está começando a enfraquecer, ou apenas deseja melhorar ainda mais a relação, separamos algumas dicas para melhorar o seu relacionamento na prática.

Mantenha o respeito

O respeito é a chave para qualquer relacionamento, seja ele amoroso, amigável ou familiar, uma relação sem respeito torna-se cansativa, causa mágoas e envenena a relação de forma lenta e dolorosa.

Respeito é aceitar o outro como ele realmente é, suas opiniões, personalidade e individualidade, é não fazer para o outro aquilo que não quer para si mesmo, é dar valor a quem está ao seu lado por vontade própria.

Mostrar respeito quando tudo está bem é fácil, quando os ânimos estão à flor da pele já é uma outra história, ao mesmo tempo, essa é uma dica que deve ser praticada sempre, um trabalho árduo mas que pode melhorar muito o seu relacionamento.

Evite gritar durante as brigas, saiba respeitar a opinião do outro e reconheça os sentimentos e inseguranças do parceiro(a).

Não abra mão da sua individualidade

Muitos acreditam que após do casamento o outro torna-se uma propriedade, alguém que existe apenas dentro do relacionamento e pode/deve fazer coisas apenas junto ao outro.

No início do relacionamento, a individualidade de cada um acaba ficando de lado, mas ao longo do tempo, com a rotina e o dia a dia, isso irá se tornar algo sufocante, que traz insatisfação.

Procure ter um tempo para você, faça coisas que goste, procure novos hobbies ou pratique os antigos, não brigue caso o cônjuge deseje a mesma coisa, ao contrário, incentive o parceiro a ter seu próprio tempo e fazer as coisas que gostava de fazer antes de vocês se casarem.

Uma boa comunicação é a base de tudo

A comunicação é sem dúvidas a base de qualquer relação, falar sobre o que te incomoda, sobre o que gosta na outra pessoa, fazer críticas construtivas e dar apoio quando necessário são coisas básicas de qualquer relação mas que muitos deixam de lado após o casamento.

Saber ouvir também é importante, de nada adianta que o parceiro fale sobre algo que o incomoda se ele será atacado e criticado por isso.

É necessário que haja uma comunicação madura e sincera entre ambos.

Crie tempo para os dois

Após o casamento, o dia a dia e a intimidade acabam se tornando um fardo para aqueles que possuem uma base fraca em sua relação.

Para isso, é importante que se crie um momento apenas para os dois, para sair, dançar, assistir um filme ou fazer qualquer coisa que antes lhes dava prazer.

Um tempo longe dos filhos, onde um exista apenas para curtir a companhia do outro é fundamental para uma relação saudável e duradoura.

Alimentos que ajudam a melhorar a ereção

Você sabia que além de medicamentos é possível melhorar a sua ereção apenas mudando a sua alimentação?

Sim, a disfunção erétil, doença que dificuldade ou elimina as chances de se ter uma ereção satisfatória, afeta quase metade da população masculina, e muitos desses por falta de conhecimento não conhecem métodos naturais para lidar com a doença.

Os remédios são sim importantes, mas não são a única solução, já que a ingestão de algumas vitaminas e minerais podem atuar diretamente no problema.

Medicamentos para melhorar a ereção

Antes de conhecer os alimentos que podem te ajudar a ter uma melhor ereção, é preciso saber quais os remédios prescritos por médicos para tratar a disfunção erétil, são eles:

  • Cialis
  • Viagra

Além desses medicamentos mais conhecidos, hoje em dia também estão tomando corpo suplementos naturais chamados de “viagras naturais”. São produtos em cápsulas que prometem melhorar a ereção sem agredir a saúde de quem toma. Um dos exemplos é o power blue oficial.

Muitos homens têm feito uso dessa alternativa para melhorar o desempenho na cama. Veja este depoimento abaixo contando se power blue funciona mesmo.

Lembrando que, somente um médico pode prescrever e dizer qual o medicamento mais indicado para um determinado caso, bem como a dosagem correta.

Sempre procure um medico, e risca as orientações as suas orientações, e nunca se automedique.

Alimentos que ajudam a ter uma boa ereção

Como citamos acima, a sim alguns alimentos que você pode inserir na sua dieta que te ajudaram a ter uma boa ereção, são eles:

Estimulantes Naturais: Morangos e Framboesas

Morango e a framboesa são dois dos principais alimentos que ajudam ter uma boa ereção, isso porque são frutas afrodisíacas que possuem zinco em suas sementes, que é um mineral que estimula e aumenta o libido.

O consumo dessas duas frutas ajuda estimula a produção de hormônios sexuais, como a testosterona.

Nos homens, esse efeito aumenta o desempenho sexual, que consegue manter ereções mais prazerosas e duradouras.

Abacate

Uma rica fonte de ácido fólico e de vitamina B6, o abacate possui nutrientes essenciais para tratar a disfunção erétil de forma natural.

Ainda, a vitamina B6 encontrada no abacate ajuda a regular os hormonais no organismo, o que faz com que o homem sinta mais energia e melhore seu desempenho sexual.

Melancia

A melancia também é uma ótima fruta para ajudar a melhorar a ereção, isso porque ela é rica em um aminoácido chamado citrulina, que ajuda o organismo a produzir maiores quantidades de arginina de forma natural.

A arginina, melhora a circulação sanguínea nas veias, e ainda na região peniana, além da melancia possuir nutrientes que ajudam a aumentar o libido, e fazem com que seu corpo responda melhor a estímulos sexuais.

Chocolate

O chocolate é um dos alimentos que mais ajudar a ter uma boa ereção devido ao seu poder de aumentar a libido.

Principalmente o chocolate amargo faz com que organismo libere mais serotonina e endorfinas, que são considerados os hormônios do bem-estar e prazer.

Também, essas substâncias promovem um efeito relaxante e permitem que o homem fique mais receptivo a estímulos sexuais.

Ostras

As ostras são um excelente alimentos que ajudam na ereção, já que aumentam o desejo sexual, uma vez que são ricas em zinco, nutriente que ajuda a corrigir qualquer problema que impede a excitação.

Também, ao consumir ostras com frequência, elas também podem afetar psicologicamente no seu desempenho sexual, mas como? Simples, elas estimulam a imaginação e o libido, por que são consideradas um dos melhores alimentos para ajudar na ereção masculina.

Como você pode ver a diversos alimentos que podem ajudar um homem a conseguir uma boa ereção, basta escolher aquele que você mais gosta ou é mais acessível e inserir em sua dieta.

Redução de Cargas: Usando o Descanso Para Alcançar Seus Objetivos

Você já deve ter ouvido falar que para ganhar massa muscular deve treinar com peso, e peso pesado. Deve fazer o máximo de repetições que aguentar e sair da academia chorando. E deve repetir isso dia após dia até gostar dos resultados.

Mas existe um fator importantíssimo que é geralmente ignorado ou não feito da melhor forma possível por quem está em busca da lapidação do corpo: a recuperação muscular. Junto com uma alimentação adequada e boas noites de sono, o descanso é essencial para promover o desenvolvimento muscular. Mas esse descanso não precisa ser necessariamente parado. Então vamos por partes.

O seu corpo irá entender qualquer tentativa de modificar a sua composição corporal perdendo aqueles quilinhos extra ou reforçando a musculatura. Isso ativa um sistema chamado de “adaptação corporal”, que é a forma do nosso corpo de nos salvar da desnutrição, das disfunções hormonais e, no caso da hipertrofia, das lesões musculares e do catabolismo. A parte ruim disso é que em certo momento o metabolismo atinge um platô, e aí a sua composição corporal estaciona.

O seu peso estaciona, seu percentual de gordura estaciona, sua massa muscular estaciona. E pior do que estacionar, se você continuar insistindo no mesmo tipo de treino, no mesmo tipo de estímulo, poderá ver seus resultados caminhando em sentido oposto aos seus objetivos ou até entrar em um estado de sobretreino, ou overtrain. E não é apenas a reparação muscular que será prejudicada.

Há outros sintomas do overtraining como estresse mental, no sistema nervoso, ligamentos, tendões e estresse articular, que pode demorar ainda mais para se recuperar. É justamente neste período que seria bom dar uma pensada neste método de descanso: a redução de cargas, ou em inglês, deloading.

Ainda não há muitos estudos precisos sobre essa redução de cargas, mas nós vamos desenhar algumas hipóteses que encontramos pra vocês aqui. Um estudo publicado em 2011, feito pela Universidade de Tóquio, no Japão, avaliou grupos de homens destreinados e os resultados sugerem que tanto o grupo que treinou sem intervalos por 15 semanas quanto o grupo que teve 3 semanas de intervalo entre os treinos, a partir da semana 6, retomando os treinos na semana 10, tiveram resultados similares na composição corporal ao final das 15 semanas.

O mesmo aconteceu em um outro estudo da mesma universidade, por 6 meses com atletas, onde não se encontraram diferenças entre os sujeitos que treinaram continuamente em comparação com aqueles que tiveram intervalo de 3 semanas a cada 6 semanas. Além disso, os atletas intervalados viram um grande progresso em seus resultados ao retornar do descanso.

Se pudéssemos otimizar de alguma forma esse descanso, e reduzir para 1 semana ao invés de 3, hipoteticamente, poderíamos ter resultados ainda melhores tirando vantagem dessa melhora.

Como deve ser feito esse deloading?

A estratégia mais generalizada sugere reduzir o peso que você usa normalmente para 40 a 60% do total por 1 semana. Ou seja, se você levanta algo tipo 30kg no supino, você poderia reduzir para algo entre 10 ou 20 kg, enquanto mantém o mesmo número de repetições e séries. Ou você também poderia tentar reduzir o volume de treino. Ao invés de fazer 3 séries de 10 repetições, faça 3 séries de 5 repetições, por exemplo.

Além dessas técnicas, os estudos sugerem também a prática de exercícios completamente diferentes da musculação, como yoga ou um cardio leve.

Mas atenção, evite cardio muito intenso como HIIT, pois isso pode ser tão pesado ao seu corpo quanto a sua rotina típica e a ideia é justamente ‘descansar’. E caso você sinta que precisa descansar mais do que 1 semana, isso significa que você deverá então reduzir suas cargas ou as repetições por mais tempo – Herbalife. E o quanto você deveria reduzir dependerá do seu programa de treino.

Em​ ​programas​ ​em​ ​que​ ​se​ ​atinge​ ​a​ ​fadiga​ ​rapidamente​ ​e​ ​com​ ​frequência,​ ​você​ ​talvez​ ​possa reduzir​ ​as​ ​cargas​ ​1​ ​vez​ ​a​ ​cada​ ​4​ ​semanas.​ ​Em​ ​programas​ ​mais​ ​lentos e ​metódicos,​ ​você pode​ ​esticar​ ​as​ ​reduções​ ​para​ ​cada​ ​12​ ​semanas, por exemplo. E​ ​a​ ​pergunta​ ​final​ ​é:​ ​VOCÊ​ ​precisa​ ​dessa​ ​descarga? Ao​ ​invés​ ​de​ ​dizer​ ​o​ ​óbvio,​ ​“​depende”,​ ​a​ ​resposta​ ​virá​ ​junto​ ​com ​a​ ​efetividade​ ​do​ ​seu programa​ ​de​ ​treino.​ ​Um​ ​programa​ ​subótimo,​ ​que não ​promove​ ​um​ ​estímulo​ ​forte​ ​o​ ​bastante, talvez não precise de uma ​recuperação​ ​extra​.

Iniciantes​ ​talvez​ ​possam​ ​treinar​ ​por​ ​mais​ ​tempo​ ​antes​ ​de​ ​começar​ ​a​ ​praticar​ ​o​ ​deloading. ​Porque​ ​o seu​ ​corpo​ ​é​ ​mais​ ​preparado​ ​ao​ ​aumento  ​muscular​ ​através​ ​dos​ ​novos movimentos.​ À​ ​medida​ ​em​ ​que​ ​você​ ​se​ ​torna​ ​mais​ ​avançado,​ ​a​ ​redução​ ​das​ ​cargas​ ganha mais​ ​e​ ​mais​ ​importância. Uma​ ​vez​ ​que​ ​você​ ​começa​ ​a​ ​entender​ ​os​ ​sinais​ ​do​ ​overtraining,​ ​você​ ​vai​ ​saber​ ​melhor quando​ ​deverá​ ​reduzir.​ ​

E​ ​a​ ​maneira​ ​como​ ​você​ ​vai​ ​fazer​ ​isso​ ​é​ ​com​ você e o seu treinador. No final das contas, para otimizar seus resultados, você não precisa necessariamente ficar parado durante toda semana. Como vimos, uma boa recuperação também pode ser feita a partir das reduções, tanto na intensidade quanto no volume do exercício! Um forte abraço e até a próxima!

Você pode ler mais sobre o assunto aqui: http://www.drisiqueira.com/desafio-herbalife-funciona/

Cuidados diários com a pele

Vamos falar de cuidados com a pele? Cuidar da pele é super importante, e não só quando começamos envelhecer! Temos que cuidar ainda quando somos jovens para prevenir danos futuros. O principal cuidado é o filtro solar, se usado todos os dias ele nos garante uma pele jovem e sem manchas. Mas outros cuidados também são importantes, que variam dependendo da nossa idade e tipo de pele. É importante consultar um profissional da área para saber o que é melhor para seu tipo de pele.

Já gravei vídeos mostrando meus cuidados, mas são aqueles mais completos, que faço uma vez por semana ou a cada 15 dias. Mas hoje vou mostrar os meus cuidados diários, aqueles que não podem faltar mesmo! Ah, lembrando que meu tipo de pele é normal.

Manhã:

Logo que acordo lavo o meu rosto normalmente, somente com água. Depois aplico o Shiseido Ibuki Protective Moisturizer, que é um hidratante especial para o dia. Ele é multifuncional, protege a pele contra agressores externos, reduz a aparência dos poros, hidrata e protege a pele contra a radiação, pois possui FPS18. Possui uma textura super leve, não é oleoso e deixa a pele com uma aparência muito saudável e hidratada.

Logo após aplico meu filtro solar. Estou usando o Eucerin Sun Creme-Gel FPS60.Ele é indicado para peles oleosas e tem toque super seco. O creme hidratante possui FPS, mas mesmo assim gosto de usar o filtro para ficar 100% protegida. Lembrando que devemos reaplicar a cada 2-3 horas.

Noite:

Retirar a maquiagem é super importante e não podemos pular esse passo. Usar maquiagem não faz mal, o que faz mal é não retira-la! Para isso uso o Vita Face Sabonete Líquido Cremoso e Demaquilante, que contém Nanopartículas de Vitamina E, Glicerina Vegetal e D-Pantenol. Ele é uma espuma cremosa que remove facilmente a maquiagem. Uso também lencinhos demaquilantes que são super práticos e removem facilmente a maquiagem. O meu favorito é o Neutrogena Deep Clean, que é macio, tem um cheirinho ótimo, não arde e remove toda a maquiagem com facilidade.

Depois da limpeza é hora de tonificar a pele. Esse passo muitas vezes é esquecido, mas é super importante, pois remove os resíduos que ainda ficaram na pele depois da limpeza, assim evitando a obstrução dos poros. Além disso ajuda a regular o PH. Uso o Clinique Clarifyng 1. Após o tonico uso o Shiseido Ibuki Multi Solution Gel em áreas que necessitam de maior preocupação, como as áreas muito ressecadas ou com espinhas.

E para finalizar a rotina de cuidados uso o meu produto favorito: o Shiseido Ultimune

Ele é um serum ativador energizante que trabalha na parte da imunidade da pele. Ele possui textura super leve que é logo absorvida, deixando uma sensação de frescor, hidratação e toque sedoso. Esse produto é maravilhoso, minha pele ficou maravilhosa depois que comecei usar. Ele pode ser aplicado de manhã e de noite.

Prontinho, pele devidamente hidratada e bem cuidada! Esses são meus santos cuidados de todo dia! hehe. Shiseido e Clinique são minhas marcas favoritas no quesito ‘cuidados com a pele‘. Espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais da minha rotina e das dicas dos produtos.

Um beijo!

Fonte: https://plus.google.com/u/0/b/111039148698720371778/111039148698720371778/

Porque acaba o desejo depois do casamento

Hoje o assunto é referente a uma queixa constante de mulheres (por incrível que pareça). Quando as pessoas se casam o desejo sexual vai diminuindo até acabar. Aumentam sentimentos como amizade, parceria, companheirismo e carinho, porém muitas vezes isso não basta para os dois. Conforme o tempo vai passando o casamento vai se transformando em uma espécie de irmandade.

Até meados de 1940, a atração sexual era colocada depois de vários outros aspectos. Eram mais importantes requisitos como fidelidade, caráter, situação financeira e até mesmo a divisão de tarefas entre os casais. Após essa década começaram a acontecer mudanças significativas. Começou-se a valorizar o amor e sobre tudo a atração sexual entre o casal.

Quando o amor e o prazer se tornaram a parte mais importante da relação os casais começaram a ter problemas. São criadas, até hoje, muitas expectativas pré casamento, e elas não são cumpridas. Ou seja, ao invés de aumentarem o número de transas na semana, elas diminuem. Isso por vários fatores: rotina, problemas financeiros, cansaço e stress após um dia de trabalho e estudos.

Diversos meios de comunicação fazem matérias e mais matérias tentando solucionar o problema de homens e mulheres que sofrem com a falta do desejo sexual do seu parceiro ou parceira. Porém eu questiono aqui: como resolver esse problema tão íntimo de casais tão diferentes?

Muitas reportagens explicam que é preciso sair da rotina e ser criativo na hora da transa. Afirmam que o desejo sexual aguça ainda mais a criatividade. Pense comigo, quando você não sente tesão você quer deitar logo e dormir, certo? Outras sugestões corriqueiras são: vá a um motel diferente, faça mais viagens aos finais de semana, faça uma visita rápida no sex-shop. Porém, quando você é parte do problema parece que nenhuma dessas sugestões resolvem. A conclusão final é simples: desejo sexual não se impõe, ou você tem ou você não tem.

Mas porque esse desejo tende a diminuir quando nos casamos? Claro que se você casou com uma pessoa é porque a ama (pelo menos nos casos normais é assim). Desejo sexual está diretamente ligado a encantamento, descoberta (sua e do outro). Em uma relação estável raramente isso acontecerá. Você, mesmo que inconscientemente, busca mais segurança do que prazer no seu parceiro de vida.

Para que você se sinta seguro é natural que você tente controlar o outro, o que com certeza limita sua relação. E pior, esse controle pode colaborar ainda mais para essa falta de tesão. Quando você tem certeza que tem algo nas mãos, a certeza de exclusividade pode gerar o desinteresse, pode fazer com que você não ache que tem necessidade de seduzir e agradar o outro. O que fazer quando o desejo termina?

Se você quiser manter seu casamento vivo essa é uma questão que você tem que levar muito a sério. Você precisa saber que isso não se trata de um problema pessoal com você, ou com seu peso, ou com a sua fisionomia.

Você pode saber mais sobre como salvar seu casamento aqui: https://www.macho.com.br/maca-peruana-para-mulheres/

Como turbinar seu foco e concentração

Se por um acaso você não consegue ter uma alta capacidade de concentração, de foco e também procrastina algumas tarefas, eu vou te ajudar. Nesse artigo eu vou falar sobre como você pode desenvolver habilidades simples para você conseguir mais foco e entregar mais resultados. Então, vamos lá!

Ser multitarefa não faz parte de nossa natureza. Pare para pensar e reflita no tanto de ideias que você já teve durante todo esse tempo, nos projetos que pensou que pudesse dar certo, nas ideias de abrir um negócio novo, de formas para ganhar dinheiro sem ter um chefe. Eu tenho certeza que foram várias e várias. Porém, quantas ideias você realmente executou? Inteligen QI funciona, é aí que os grandes empreendedores se destacam.

Saber reconhecer qual ideia está alinhada com seu propósito e merece a energia necessária, para colocá-la em prática. Esse é o poder do foco. Isso é usar a concentração com inteligência. Saber quando seguir um caminho e quando recusar uma proposta. Aprender a falar NÃO. NÃO para uma ótima proposta financeira mas que envolve ir contra seus princípios morais e éticos.

NÃO para aquilo que não está alinhado com seu propósito de vida. NÃO para pessoas que sugam sua energia e te colocam para baixo. NÃO para tudo que te afasta dos seus objetivos. Para finalmente dizer “SIM” para o seu sonho.

E usar toda seu tempo disponível, concentração e foco para chegar lá. Você sabe que precisa aprender a dizer não para finalmente se concentrar no que mais importa.

Mas…você sabe para o quê você precisa dizer não? Vou te apresentar alguns dos maiores ladrões da sua concentração e do seu foco: Estar online o tempo todo!

Gloria Mark, uma pesquisadora da Universidade da Califórnia ( http://www.ucla.edu/ )  decidiu investigar os efeitos da tecnologia na vida das pessoas, tanto no ambiente de trabalho e no mundo acadêmico.

Neste mundo de Facebook, Twitter, onde tudo gira em torno das redes sociais e aplicativos de mensagens temos nossa capacidade de concentração diminuída, segunda a conclusão de estudos. Estamos cada vez mais multitarefa, usamos vários programas ao mesmo tempo, fazemos várias coisas ao mesmo tempo, atendemos telefone enquanto estamos desenvolvendo uma importante tarefa, mandamos e-mail enquanto estamos no meio de um projeto importante e por aí vai.

E mesmo assim, aqueles que alternaram de tarefa várias vezes durante o expediente chegaram ao final do dia achando que não tinham sido
produtivos.

No ano de 2004, a pesquisadora fez um trabalho de monitoramento com um grupo de trabalhadores. O tempo em que essas pessoas ficavam concentradas em uma tarefa foi cronometrado. O estudo mostrou que o foco e a concentração naquilo que estavam fazendo durava, em média, 3 minutos. Esse mesmo estudo foi replicado 10 anos depois e os resultados foram surpreendentes:

O tempo de concentração caiu de minutos para apenas segundos. Com todo este avanço tecnológico ao qual tivemos acesso ao longo dos anos, é possível afirmar que ele é o grande culpado por esta falta de atenção generalizada que estamos experimentando.

Tarefas desagradáveis fazem nossa mente divagar com mais facilidade: Imagine que você está ocupado, com um trabalho importantíssimo para entregar e mesmo assim, você parece incapaz de focar no que está fazendo. Sua mente insiste em pensar em assuntos nada relacionados, como o filme que você assistiu no dia anterior. E pior, você não controla e nem sabe por que outros pensamentos não param de chegar, atrapalhando seu desempenho.

Nem sabe dizer, precisamente, em que momento sua mente começou a “divagar e viajar”.

Agora tente lembrar de alguma situação em que isso aconteceu com você. Como você estava se sentindo naquele momento? Sem vontade, com sono, fadigado? Estava fazendo uma tarefa que não gosta? Sem tesão? Desmotivado? Com certeza, se estivermos em alguma dessas situações anteriores há grandes chances de perdermos a concentração e o foco. Nossa mente foge para situações mais agradáveis.

Muito menos provável que haja perda de concentração quando fazemos algo que gostamos. Mas mesmo assim, há momentos em que precisamos
executar tarefas que não são de nosso agrado. E é por isso que precisamos de total concentração e foco.  A boa notícia é que existem sim maneiras de ficar mais concentrado, até mesmo em tarefas chatas.

Falta de memória

Nossa memória pode ser afetada por alguns fatores:

  • Idade
  • Estresse
  • Depressão
  • Doenças mentais
  • Excesso ou efeito colateral de medicação
  • Dietas restritivas
  • Uso de álcool e drogas

Problemas como os citados acima podem reduzir nossa capacidade de memorização. Isto acontece porque nossos neurotransmissores (que realizam o “transporte” das informações) sofrem quando expostos a estas condições. O cérebro passa a não estar mais equilibrado.

Para evitar que esses vilões destruam a sua concentração, alguns simples hábitos podem ajudar e muito:

Treine seu cérebroMantenha uma rotina “fitness” para seu cérebro: Você achou que bastava ir para a academia? Seu cérebro também precisa “fazer exercícios”. Jogos de raciocínio, jogos que exercitem a memória podem mudar rapidamente a maneira que seu cérebro trabalha.

Seja um caçador de soluções: Não fomos feitos para focar em problemas, o que causa agitação e confusão mental, mas sim para descobrir as soluções. Ao resolver problemas você deixa de ser pessimista e se torna uma pessoa mais positiva dentro das suas relações pessoais e de trabalho.

Crie um período onde as interrupções sejam proibidas: Pode ser um momento no começo ou no fim do dia. Você escolhe.

Defina previamente uma tarefa importante: Isso parece dificil para você? Exercite isso! Passe a priorizar apenas uma tarefa importante por dia. Parece difícil fazer isso em um mundo onde tudo é urgente e prioritário. Melhor realizar do início ao fim algo de grande importância do que várias coisas insignificantes.

Treine sua mente como um músculo: Quando a multitarefa vira regra, nosso cérebro se adapta. Assim como é possível acostumar nossa mente
a ser desfocada, o inverso também é possível. Estar e se manter concentrado não é mágica, é prática. Você pode desenvolver habilidades de concentração e foco da mesma forma que aprende a andar de bicicleta ou a tocar um instrumento musical.

Como já foi dito é possível ter completo domínio sob a sua mente, porém, pode não ser tão fácil. Tenha consciência que você precisará de resiliência e muita paciência para chegar ao domínio total da sua mente e assim consequentemente, da sua concentração.

Remédios para concentração e foco

Com novas tecnologias e estudos estão sendo desenvolvidos remédios para foco e concentração. Um dos mais famosos é o suplemento Inteligen QI.

A maioria desses suplementos que prometem aumentar o foco e concentração não oferecem efeitos colaterais a saúde. O maior problema é que a maior parte dessa suplementação tem altos custos para quem consome.

Eu acredito que antes de sair por aí, consumindo remédios e suplementos devemos tentar mudar nossos hábitos. Procurar soluções que não envolvam dinheiro e sim comportamento.

Você tem que mostrar quem está no controle

Algumas técnicas e até mesmo aplicativos (que podem ser vilões da produtividade se mal utilizados), podem ajudar no poder da concentração:

Experimente a técnica Pomodoro: Já ouviu falar desta técnica? Ela consiste em dividir o teu tempo de trabalho em períodos que variam de 1 hora a 1h30m. A técnica original sugere 25 minutos. As pausas entre os períodos devem ser de 10 a 15 minutos. Isso pode parecer difícil no inicio, mas você verá que será mais fácil manter a alta performance por períodos 1 hora do que 8 horas alternando entre tarefas.

Músicas para foco: são sons específicos para incentivar a concentração. São ruídos que se fundem ao barulho do ambiente a tal ponto que não se presta mais atenção. É claro que não estamos falando de músicas cantadas ou que contenham sons próximos à voz do ser humano. Um ótimo aplicativo para testar é o BrainFM, ele oferece várias músicas que ajudam a aumentar o foco e relaxar no trabalho.

Meditar no TrabalhoMeditar: A meditação é uma ótima ferramenta para te fazer entrar no “estado de flow”. A meditação ajuda a treinar o cérebro para que você não se distraia com coisas externas. Procure testar o App Headspace enquanto estiver ocupado com alguma tarefa importante. O “Flow” nada mais é do que “ter controle da mente”. Deseja ficar mais concentrado? Pratique meditação de 10 a 15 minutos diários e sinta a diferença em um curto espaço de tempo.

Uma mente concentrada e atenta está mais apta a gerar pensamentos mais criativos, insights, geniais e ainda a atrair novas oportunidades. Acredite que é possível desenvolver essa habilidade com técnicas, hábitos e exercícios muito simples, como os que falamos neste artigo. O potencial já está dentro de você. Basta aprender a usar!

E aí, as dicas foram valiosas aqui para você? Espero que alguns ensinamentos aqui possam te ajudar a se concentrar melhor, ter mais foco e também, ultimamente, mais clareza para você conseguir realizar o que você pretende.

Começar a meditar

Essa é uma grande dificuldade das pessoas com quem converso. É a sua também? Creio que esse vídeo pode te ajudar a sair do lugar. Aproveite:

Como tocar um instrumento beneficia seu cérebro

Cerebro e a musica

Você sabia que sempre que uma pessoa toca um instrumento musical é como se explodissem fogos de artifício em seu cérebro? Por fora ela pode até parecer calma e concentrada enquanto lê a partitura e faz os movimentos necessários, mas dentro do seu cérebro tudo está em festa! Algumas das pessoas estudadas faziam aula de cavaquinho, outras aulas de guitarra, outras tocavam bateria, mas todas tinham algo em comum: Estavam tocando um instrumento musical.

Como sabemos disso? Bem, nas últimas descobertas, os neurocientistas fizeram enormes progressos para entender como o nosso cérebro funciona, monitorando o cérebro em tempo real com instrumentos como a IRM Funcional e scanner PET.

Com as pessoas conectadas a essas máquinas tarefas como ler ou resolver problemas de matemática têm áreas correspondentes no cérebro, onde se pode observar a atividade.

Quando os participantes ouviram música, eles viram fogos de artifício: múltiplas áreas do cérebro acenderam de uma só vez enquanto processavam o som separando os elementos como melodia e ritmo, para entendê-los, e então juntando os de novo numa experiência unificada de ouvir música. Tudo é feito entre o segundo em que começarmos a ouvir a música e começar a marcar o ritmo com os pés.

Quando os cientistas trocaram observar o cérebro de quem ouve música por analisar o de um músico que a executa, houve um festival de fogos de artifício. Se ouvir música faz o cérebro executar tarefas interessantes, tocar música é equivalente a fazer ginástica com o corpo inteiro. Os neurocientistas viram que muitas áreas do cérebro se acendem simultaneamente processando várias informações, de forma complexa cheia de relações em sequências rápidas. Mas o que acontece ao se tocar música que acende o cérebro de tal forma?

As pesquisas ainda são muito recentes, mas os neurocientistas têm uma boa ideia. A atividade de tocar um instrumento mexe com diversas áreas do cérebro ao mesmo tempo. Principalmente as áreas visual, auditiva e motora. E como todo exercício, a prática disciplinada e estruturada de tocar faz que essas funções do cérebro fiquem mais fortes permitindo nos aplicar essa força em outras atividades.

Qual a diferença entre ouvir música e tocar um instrumento?

A diferença mais óbvia entre ouvir e tocar música é que tocar envolve habilidades de movimento muito delicadas e essas habilidades são controladas pelos dois lados do cérebro. Pelo lado esquerdo do cérebro são feitos cálculos financeiros e é onde se exercita a linguagem. O lado direito fica responsável pela criatividade e conteúdos novos. Por isso, descobriu se que tocar música aumenta o tamanho e a atividade do corpo caloso no cérebro a ponte que liga os dois hemisférios e permite à informações circularem rapidamente e em rotas mais diversificadas e pode ajudar os músicos a solucionar problemas de forma mais efetiva e criativa, tanto na área acadêmica quanto social.

Tocar Instrumento MusicalPorque fazer música exige criar e entender seu conteúdo emocional e a mensagem, confira, os músicos também tem níveis mais altos de “função executiva”, uma categoria de tarefas interligadas que envolvem planejamento, estratégia e atenção a detalhes e que requerem análise simultânea dos aspectos cognitivos e emocionais.

Essa habilidade também tem impacto em como funciona nosso sistema de memorização. De fato, músicos mostram memória melhorada. Eles criam, mantêm e acessam memória de forma mais rápida e eficiente. Estudos demonstram que músicos parecem usar seus cérebros altamente conectados para colocar várias “etiquetas” em cada memória. Uma etiqueta conceitual, outra emocional, uma auditiva e outra contextual, como se fosse um bom mecanismo de busca na internet. Como saber que esses benefícios se aplicam somente à música e não aos esportes ou à pintura?

As pessoas que gostam de música são naturalmente mais inteligentes? Neurocientistas exploraram essas questões e até agora perceberam que os aspectos artísticos e estéticos envolvidos em aprender a tocar um instrumento musical são diferentes de todas outras atividades de estudo, mesmo as outras artes.

Em diversos estudos aleatórios com pessoas que tinham o mesmo nível de cognição e processamento neural, as pessoas que foram expostas a um período de aprendizado de música mostraram melhoras em várias áreas do cérebro, quando comparadas com outras. Essa pesquisa recente sobre os benefícios mentais de se tocar música melhorou nosso entendimento sobre as funções mentais revelando os ritmos internos e as complexas interações que fazem a incrível orquestra do nosso cérebro.

Qual o melhor instrumento para aprender

Você pode estar se perguntando: “Qual o melhor instrumento para aprender a tocar?”, ou “Qual o instrumento mais fácil para aprender a tocar?”. Não tem resposta certa para essa pergunta. Você pode fazer aulas de cavaquinho para iniciantes, ou pode optar por aprender a tocar piano ou guitarra. Isso vai depender único e exclusivamente do que você gosta e deseja tocar.

Algumas pessoas passam vários anos fazendo aula de um instrumento qualquer e de repente descobrem que querem aprender outra coisa, mudar a vibe total.

A escolha é unicamente sua. Escolha aprender algo que você gosta de ouvir, seja, violão, cavaquinho, violino, guitarra, bateria, baixo…ou qualquer outro instrumento! Escolha aquilo que faz seu coração vibrar!